Agentes trabalham na identificação e combate de inseto barbeiro

Agentes da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV) de Campo Grande estão intensificando o trabalho de combate ao Triatomíneos, popularmente conhecido como “barbeiro”, transmissor da doença de chagas. Nesta semana, os servidores estão percorrendo imóveis rurais da região da Chácara das Mansões fazendo a inspeção e borrifação do inseticida nos locais onde o vetor pode se abrigar.

Segundo a gerente técnica do Serviço de Chagas da coordenadoria, Marcelle Prado, o trabalho é realizado de forma programada e envolve quatro agentes visitadores e não é restrito somente a zona rural de Campo Grande, porém o serviço acaba sendo concentrado nesta localidade, considerando a presença mais constante dos insetos.

Barbeiro, inseto transmissor

“Esse serviço está dentro da rotina do CCEV e é feito também nas residências da área urbana, principalmente em bairros com maior concentração de matas e próximos da zona rural. No entanto o empenho maior acaba sendo nos imóveis da zona rural onde o barbeiro é mais presente.”, disse.

Os agentes chegam a inspecionar de 12 a 15 propriedades rurais menores (chácaras e sítios) em apenas um dia. O trabalho consiste na vistoria de galinheiros, currais, alojamentos e demais locais onde o inseto pode se abrigar. Quando o barbeiro é encontrado é feita a borrifação de veneno em toda a localidade e o inseto recolhido para ser analisado.

Os moradores também recebem orientações sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti -transmissor da dengue, zika e chikungunya – e da Leishmaniose.

O que é a doença de Chagas?

O Chagas é uma doença tropical causada pelo parasita Trypanosoma cruzi considerada negligenciada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Sua transmissão para seres humanos e outros mamíferos ocorre principalmente pelo inseto vetor conhecido como barbeiro.

Há 6 milhões de pessoas infectadas em 21 países da América Latina, de 6 a 7 milhões no mundo e calcula-se que 70 milhões de pessoas estejam em risco de contrair a doença.

Calcula-se que causa 14.000 mortes por ano na região.

A doença de Chagas mata, todos os anos, mais pessoas na região do que qualquer outra doença parasitária.

Transmissão

Transmissão por vetor Transmissão por vetor: pelas fezes infectadas de inseto, o “barbeiro” ou “bicudo”. Ele vive em rachaduras nas paredes de tijolo de barro. Quando pica, ele defeca ao lado da picada. A pessoa coça a região, fazendo com que os parasitas nas fezes entrem na corrente sanguínea.
Transmissão de mãe para filho Transmissão de mãe para filho: é a rota de infecção mais significativa em países não endêmicos ou nos países que conseguiram controlar o vetor. A formulação pediátrica de benznidazol demonstrou ser eficaz no tratamento da doença de Chagas em bebês recém-nascidos.
Transfusões de sangue ou transplantes de órgãos sem o devido controle Transfusões de sangue ou transplantes de órgãos sem o devido controle: nos últimos anos, houve uma queda significativa dessa forma de transmissão graças a um melhor controle nos bancos de sangue.
Ingestão oral de alimentos contaminados Ingestão oral de alimentos contaminados com barbeiros infectados ou suas fezes: pelo alto número de parasitas que entram no organismo, essa forma pode ser particularmente grave e ocorre principalmente na região da Amazônia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here