Após criticas, projeto que limita uso da tribuna da ALMS pelo povo é retirado de pauta

Arquivo

Após críticas dentro e fora da ALMS – Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, o projeto de lei que visa limitar o uso da tribuna pelo povo, na Casa de Leis, foi retirado de pauta nesta terça-feira, 20 de agosto. As avaliações vieram por parte de alguns dos deputados estaduais e da sociedade no geral, essa última via redes sociais.

A preocupação de muitos parlamentares e de cidadão civis é que a mudança traga certos retrocessos políticos dentro da Casa de Leis visto que a proposta irá só um deputado poderá usar a palavra após a Ordem do Dia, quando são votados os projetos, ou seja, não será permitido o uso da tribuna pelo cidadão comum.

apesar de ter sido tirado de pauta, o projeto deverá passar por uma nova avaliação entre os parlamentares e pode voltar para votação.

“Tirano e passo para trás” foram algumas das frases que recebeu o projeto de lei, proposta do deputado Lídio Lopes, Barbosinha e Gerson Claro. O texto apresentado tinha 19 autores entre os deputados.

Entre os deputados que se mostraram contra a iniciativa do projeto estão o Capitão Contar, João Henrique Catan e Cabo Almi.

Na prática, caso o projeto seja aprovado para que as demandas da população (sindicatos, entidades e pessoas no geral) sejam ouvidam será necessário que um deputado estadual suba à tribuna para falar em nome do sindicato, entidade, movimento social ou instituição durante sessão.

Outro ponto do projeto é que só poderá falar de assunto referente à entidade ou instituição anotada com antecedência, sem debates nem apartes. O político estará sujeito à quebra de decoro e de ter a palavra cassada pelo presidente caso não siga esse critério. Em resumo, o púlpito será vetado à população que não terá fala direta, somente representação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here