As criptomoedas foram criadas para as pessoas saírem da dependência dos bancos, diz empresária

Para quem acompanha o mercado financeiro ou apenas navega pela internet, com certeza, já deve ter esbarrado no termo criptomoeda. Mas, afinal, o que é isso? Como funciona? E qual o nível de segurança das aplicações?

Na primeira edição do programa “Bronca do Eli” desta semana, segunda-feira (12 de agosto), a empresária Andressa Costa Rodrigues em um bate papo com o radialista Eli Sousa explicou um pouco sobre esse universo das criptomoedas, dinheiro virtual, que promete ganhos superiores ao Mercado Bovespa e, ainda, tem consigo a criptografia – dispositivo de segurança conhecido por ser muito difícil de quebrar.

“É uma moeda digital, nós temos a Bitcoin uma das moedas digitais, a pioneira das criptomoedas. Criada em 2009 por Satoshi Nakamoto e que vem crescendo a cada dia. Na época,  foi criada com o valor de 10 centavos de dólar e o  lastro dela é de pessoas, quanto mais pessoas mais transações, quanto mais compra mais o valor dessa moeda sobe”.

Andressa explicou um pouco mais do surgimento dessas moedas. “Não depende de governo, não depende de nada, quanto mais pessoas transacionar, aceitar, mais essa moeda cresce. As pessoas precisam abrir suas visões no mercado mundial da criptomoeda porque realmente dá dinheiro”.

Quanto aos receios de muitas pessoas a essa novo jeito de investir, esclareceu alguns pontos. “O bitcoin teve várias fases em que muitas pessoas pensaram que ela era apenas uma bolha e, hoje, ela é uma atualidade no mercado. Já existe há mais de 10 anos”, informou ela que ainda deu dicas de segurança na hora de aplicar nesse nicho financeiro, “Não é a moeda que gera problemas de lesar pessoas, isso são empresas. Tem que tomar muita cautela, uma dica que eu dou para quem quer investir é procurar uma empresa que faz trader, que invista nela, mas que você estude como essa empresa está no mercado financeiro, se ela tem algumas parcerias”.

E faz outro alerta para se livrar de golpes. “São empresas que prometem ganhos absurdos, 100%, 200% até 400% e quebram. Claro que são as chamadas pirâmides financeiras. Então, tem que tomar muito cuidado com isso. Eu, por exemplo, represento o Airbit Club, nós  fazemos a compra e a venda de bitcoin, também, temos uma exchange exclusiva e, na verdade, é uma empresa que ensina, educa financeiramente. Você que quer começar a entrar nesse ramo, mercado das criptomoedas, nós educamos você financeiramente , não com falsas promessas, mas com uma realidade desse mercado”, garantiu.

Para aplicar em BitCoin, Andressa aconselha preferir franquias do que apenas comprar as moedas. “Quando você compra somente a moeda você sofre aquela dorzinha no estômago porque é totalmente volúvel, porque ela pode subir ou baixar o valor e a responsabilidade é sua quanto a isso”.

“Quanto você investe em uma grande empresa como a Airbit Club, obviamente, você compra uma franquia e tem menos riscos”, disse ela que ainda complementou, “Tem franquia a partir de mil dólares. De mil a 126 mil dólares se pode comprar uma franquia e aí você acaba tendo uma recompensa de 3 a 5% ao mês, o seu dinheiro de volta com uma recompensa, muito boa perto dos bancos aí fora”.

Para garantir a segurança de ambas às partes o acordo é fechado pessoalmente. “Você tem que nos procurar só com documentação, aceite de contrato, pessoalmente”, pontua a empresária que afirmou que a ideia do bitcoin é dar mais poder de escolha ao investidor, “Imposto a gente tem que pagar de qualquer maneira. A gente tem a sã consciência de que quando você transforma essa moeda digital em reais, a gente vai querer adquirir um imóvel, um carro. Então, a gente não pode deixar de pagar impostos. Agora, taxas bancárias a gente se livra”.

Dentro do universo das criptomoedas, a Airbit Club representa 20% de todas as transações mundiais e, ainda, está com novos investimentos. “Lançamos nossa moeda, TraxAlt. Essa moeda é a mais veloz que tem. Estudamos quais as dificuldades que a Bitcoin tem e do Ethereum,  outra moeda criada em 2014, e nós lançamos essa nova moeda”.

Uma das vantagens da TraxAlt é no número de transações feitas, revelou a empresária. “A bitcoin foi criada com um blockchain, um sistema que coordena as transcoes de para enviar de 3 a 7 transações por segundo, o que já é muito veloz. Mas a TraxAlt foi criada com mais velocidade, mais quantia de moeda. Foram  criadas 108 milhões de moedas e, fazemos de mil a duas mil transações por segundo”.

Na opinião de Andressa as moedas virtuais é um caminho sem volta e de sucesso. Um traçado para os investidores que pensam no futuro que buscam se livrarem as grandes taxas cobradas pelos bancos. “As criptomoedas foram criadas para descentralizar, ou seja, as pessoas não dependerem dos bancos. Você consegue administrar a sua conta bancária com maior independência. Você consegue enviar qualquer valor para qualquer lugar do mundo, em qualquer horáriO, 24h por dia, qualquer valor. Não depende de banco, de horário, nada”.

Agora, o próximo passo da Airbit Club em Mato Grosso do Sul é conseguir ampliar os números de pessoas que adquiram suas franquias nas moedas. “Fechamos com grandes empresários. Em Tocantins, temos mais de 100 comércios cadastrados para receber em criptomoeda, fechamos com empresários e queremos bater essa marca aqui no Mato Grosso do Sul”.

Outra importante ação do grupo é uma viagem marcada para a comunidade Zigurats, situada dentro do município de Corguinho. “No dia 23 de agosto, estaremos com Urandir Fernandes, em Zigurats, para falar das criptomoedas. Pretendemos colocar tanto a moeda dourada quanto a recém-lançada [TraxAlt] dentro da ‘cidade’ e na empresa dele. Vamos fazer um grande legado para fazer com que as pessoas saiam da dependência de banco”, finalizou.

Amanhã, 13 de agosto, Andressa Rodrigues e sua equipe, da Airbit Club, permanecerá em Campo Grande para conversar com pessoas interessadas em adquirir uma franquia de educação financeira em moedas virtuais. Recentemente, ela esteve por Dourados e, também, na cidade Paraguaia de Capítan Bado com empresários e comerciantes.

A empresária retorna no dia 21 de agosto a Capital e fez um convite aos investidores em potencial, “Os interessados podem entrar em contato com a rádio do Grupo Impacto para agendar um horário que vamos explicar como funcionam as criptomoedas e as inúmeras vantagens desse tipo de negócio”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here