Após diversas reuniões ocorridas com empresários do setor varejista dos supermercados de Campo Grande, o Vereador Delegado Wellington (PSDB) criou o Programa de Redistribuição de Alimentos Excedentes em Campo Grande. O Projeto de Lei 8.732/17 tem como objetivo racionalizar e otimizar a distribuição e a utilização de alimentos para segmentos populacionais em situação de carência, de pobreza ou de exclusão como creches, escolas, abrigos para idosos, albergues, casas de apoio, as que tratam dependentes químicos e outras instituições sociais e que tenham condições de receber os alimentos.

A ideia do Programa surgiu após reuniões ocorridas entre o Vereador Delegado Wellington com os empresários do setor e Secretários das pastas municipais. Durante o último encontro realizado, entre o parlamentar e representantes do setor, com o Secretário da Sesau de Campo Grande, arcelo Vilela, os empresários do setor apresentaram, dentre as diversas demandas do setor, a roblemática da redestinação dos alimentos de hortifrutti descartados pelos supermercados.

Ainda de acordo com os empresários, estima-se desperdício de 7% dos produtos de hortifrutti bons para consumo. Para o Vereador Delegado Wellington todo mundo tem direito a uma alimentação saudável, acessível, de qualidade, em quantidade suficiente e de modo permanente.

Isso é o que chamamos de Segurança Alimentar e Nutricional, que deve ser totalmente baseada em práticas alimentares promotoras da saúde, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. Alimentar é questão de vida e de morte. Somos uma sociedade faminta e desigual. A fome provém da falta de alimentos que atinge um número elevado de pessoas no Brasil e no mundo. Apesar dos grandes avanços econômicos, sociais, tecnológicos, a falta de comida para milhares de pessoas no Brasil continua, e em Campo Grande não é diferente”, explica o parlamentar.

Outro fator lembrando pelo Vereador Delegado Wellington é a questão do processo que resulta na desigualdade de renda. A falta de dinheiro, por exemplo, segundo o Programa apresentado pelo parlamentar, faz com que cerca de 32 milhões de pessoas passem fome, mais 65 milhões de pessoas que não ingerem a quantidade mínima diária de calorias, ou seja, se alimentam de forma precária.

Esses números são extremamente elevados, tendo em vista a extensão territorial do país que apresenta grande potencial agrícola. E o Programa de Redistribuição de Alimentos Excedentes, tem como principal finalidade racionalizar e otimizar a distribuição e a utilização de alimentos para segmentos populacionais em situação de carência, de pobreza ou de exclusão como creches, escolas, abrigos para idosos, albergues, casas de apoio, as que tratam dependentes químicos e outras instituições sociais e que tenham condições de receber os alimentos”, conta o Vereador Delegado Wellington.

Colaborou Fernanda Yafusso.

Assessoria de Imprensa