Um levantamento realizado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível), aponta que o preço médio do gás de cozinha apurado na semana passada, em Campo Grande teve a maior alta de 2018 até o momento. Os dados revelam que o valor do botijão de 13 quilos, o mais usado nas residências, saltou de R$ 71,75 para R$ 76,36, ou seja, um acréscimo de 6,43%.

Os técnicos do órgão entraram em contato com 55 revendedoras entre os dias 4 e 10 de março e anotaram os preços para fazer os cálculos.

O menor valor encontrado entre as empresas entrevistadas foi de R$ 73. No levantamento anterior, conforme a agência, o mais barato saía por R$ 70. Isso quer dizer que o preço mínimo teve um aumento de 4,29%.

Por outro lado, a ANP encontrou alguns estabelecimentos que estavam vendendo o botijão por R$ 79. Na semana anterior, o mais caro estava saindo por R$ 73, o que aponta um acréscimo de 8,22%.

Foi a segunda vez neste ano que o preço do botijão chegou aos R$ 79. Esse mesmo preço chegou a ser cobrado até o dia 6 de janeiro. Até o momento, em nenhuma das semanas passadas o valor ficou mais alto que isso.

No estado, em contrapartida, o gás de cozinha chega a custar R$ 90 em alguns estabelecimentos de Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande. Conforme a ANP, esse valor corresponde tanto ao preço mínimo quanto ao máximo.

No interior, o município de Três Lagoas tem o botijão mais em conta. Em algumas das revendedoras entrevistadas pela agência, o botijão chegava a custar R$ 58, embora em outros, ele chegasse aos R$ 74