Moradores da Cidade de Deus entram em acordo com a Agência Municipal de Habitação

Por unanimidade, moradores oriundos da Cidade de Deus entraram em acordo com a Agência Municipal de Habitação (EMHA). As famílias serão reassentadas em quatro áreas já designadas na Capital: José Teruel Filho I e II, Bom Retiro, Canguru e Vespasiano Martins.

Os moradores concordaram em receber materiais de construção e auxílio técnico para finalizar as casas localizadas nos 296 lotes previamente estabelecidos, diante da constatação de irregularidades encontradas no contrato firmado junto à Morhar Organização Social – regime de mutirão – e que agora se encontra sob análise da atual gestão municipal.

O sistema a ser adotado para que as famílias efetivamente possam habitar nesses locais será o de autoconstrução, por intermédio de recebimento de kits, com materiais de construção necessários para a finalização das moradias. A Diretoria de Habitação da EMHA ainda concederá escopo técnico às obras.

“Falamos a verdade aqui. Ou seja: o que pode e o que não pode ser feito. Todos compreenderam que é preciso dar fim na condição atual de habitação dessas famílias. Justamente por isso, houve uma aproximação significativa estabelecida entre a Prefeitura de Campo Grande e Governo do Estado a fim buscar uma solução a contento”, enfatizou o diretor-presidente da EMHA, Enéas Netto.20170214_092642

Segundo o presidente da Associação de Moradores do José Teruel Filho II, Ronaldo Leão, trata-se de uma iniciativa que beneficia os moradores. “Nós mesmos vamos colocar a mão na massa, além mobilizar nossos pedreiros, eletricistas e encanadores para terminar a construção das casas, pois queremos um futuro melhor para as nossas famílias daqui para frente”, esclareceu.

Parceria entre Prefeitura  e Governo do Estado

Após entendimento entre a EMHA e moradores da Cidade de Deus, o diretor-presidente da EMHA se encontrou com a secretária de Habitação do Governo do Estado, Maria do Carmo Avesani. A Agência Estadual de Habitação (Agehab) se mostrou disposta a firmar um convênio com a EMHA, através da concessão dos materiais, para dar prosseguimento à construção dessas moradias.

Um levantamento será feito para avaliar a estrutura das casas, que já apresentam sinais de deterioração, além da lista de materiais necessária para tal. A linha de atuação já foi estabelecida e a parceria entre Prefeitura e Governo de MS consolidada para resolver a situação das famílias o mais rápido possível.

Para Rogério Carvalho, 30 anos, casado, pai de três filhos e morador do Bom Retiro, a autoconstrução irá resolver, de uma vez por todas, a condição atual em que se encontra os moradores da Cidade de Deus. “Pela primeira vez temos esse diálogo com a Prefeitura, que veio aqui e se dispôs a encontrar um modo de ajeitar as nossas vidas. A gente percebeu que está diferente”, constatou.

A reunião com os moradores também contou com a participação do diretor-adjunto da Emha, Ernandes da Silva, e da diretora de Desenvolvimento Social, Maria Helena Bughi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *