Com meta de atender 2,9 mil pessoas até dezembro deste ano, a Prefeitura repactuou junto ao Ministério do Desenvolvimento Social, em julho de 2017, a execução do Acessuas Trabalho, realizada sob um novo formato aqui na Capital. A partir do êxito nos resultados apresentados em menos de um ano e, por ser considerado um município de grande porte, Campo Grande recebeu o convite do MDS para apresentar essas ações durante encontro técnico do Programa, que acontece de 4 a 6 de julho em Brasília/DF.

Dentre um conjunto integrado de ações de diversas políticas cabe à Assistência Social ofertar ações de proteção social que viabilizem a promoção do protagonismo, a participação cidadã, a mediação do acesso ao mundo do trabalho e a mobilização social para construção de estratégias coletivas.

Deste modo, a Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS) deu início em outubro de 2017 a execução do Programa Nacional de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho – Acessuas Trabalho, que tem por objetivo promover a integração dos usuários da Política de Assistência Social a esse universo do trabalho.

O público alvo desta ação são famílias em situação de vulnerabilidade social e que estejam inscritas no Cadastro Único, que recebem benefícios de transferência de renda dentre outros, com idade entre 14 e 59 anos.

A dona de casa Sebastiana Peixoto Miranda, 42 anos, é exemplo de como o programa pode afetar positivamente a vida das pessoas. Residente do Conjunto Estrela Park, ela sobrevive com a família apenas com a renda do Bolsa Família, cerca de R$ 162, e alguns  trocados que entram a partir dos ‘bicos’ que o marido realiza, esporadicamente.

Com dois filhos para criar, Sebastiana viu nas oficinas do Programa Acessuas Trabalho uma oportunidade para entrar no mundo do trabalho e gerar renda para a família.

“A gente chega num ponto que não tem mais entusiasmo e já não quer nem tentar fazer algo para mudar. Se acomoda mesmo! A partir da divulgação desse programa eu decidi vir para saber como era. E, foi aí que despertou em mim esse desejo de fazer algo maior por mim e pela minha família. É sem dúvida um divisor de águas para mim e acredito que para os demais participantes também”, relata ela, que agora vai participar do curso de cabeleireiro oferecido no Cras Tiradentes, para receber o certificado e começar a trabalhar.

O psicólogo Danilo Lima Calixto, integrante da equipe do Acessuas Trabalho em Campo Grande e que, inclusive, faz parte do grupo que irá a Brasília apresentar o projeto na próxima semana, ressalta que a intenção do programa é exatamente essa: “despertar esse desejo nas pessoas e fazer com que elas entendam que têm todas as condições para se qualificarem e trabalharem com dignidade, gerando assim uma fonte de renda segura para sua família”.

Calixto disse ainda que as oficinas realizadas pelo programa, cinco encontros com duas horas de duração cada, têm a intenção de fazer com que a comunidade entenda que a Assistência Social do Município, através dos Cras, oferece as ferramentas para que a pessoa obtenha qualificação, através do projeto de geração de renda oferecido nessas unidades.

“Muitas vezes as pessoas não entendem o quanto esses cursos de geração de renda podem ajudar, inclusive, a motivá-las para buscar uma mudança, e aí elas não participam. Durante as oficinas nós levamos até os participantes as informações de tudo o que o Município oferece para ajudar o cidadão a dar o primeiro passo”, explica o psicólogo.

A metodologia do trabalho desenvolvido perpassa por quatro eixos fundamentais para que a ação tenha sucesso: Identificação e sensibilização de usuários; Desenvolvimento de habilidades pessoais e orientação para o mundo do trabalho; Acesso a oportunidades e o Monitoramento do percurso dos usuários no mundo do trabalho. Até a presente data, o Município já mobilizou e sensibilizou 1.359 pessoas em Campo Grande e executou 63 ciclos de oficinas, contemplando 1.740 pessoas.

Para a vice-prefeita Adriane Lopes, que desde o início da atual gestão acompanha de perto as ações da Assistência Social, Campo Grande tem feito a diferença através dos números apresentados, que são resultados dos atendimentos de excelência realizados à população.

“O programa do Acessuas Trabalho é prova disso, já que através das oficinas ele garante que as pessoas tenham as portas abertas no mercado de trabalho. Isso tem feito a diferença em muitas vidas aqui na Capital, como no caso da Dona Sebastiana, motivo pelo qual somos destaque em nível nacional. É um despertar da consciência das pessoas para que elas aproveitem as oportunidades e saiam da vulnerabilidade”, considera Adriane.

Encontro Técnico do Programa Acessuas Trabalho – O evento objetiva capacitar e discutir sobre os eixos de ação do programa, considerando a integração com os demais serviços e programas da Política Nacional de Assistência Social e também de outras políticas, além de aprimorar o conteúdo metodológico do Programa.

Neste âmbito, o convite ao Município de Campo Grande se dá para discorrer sobre o eixo 2 do referido programa, que trata sobre o ‘Desenvolvimento de habilidades pessoais e orientação para o mundo do trabalho’ e, assim, apresentar o trabalho desenvolvido em nossa cidade, contribuindo para o aprimoramento do Programa.

A superintendente de Proteção Social Básica, Inês Auxiliadora Mongenot Santana ressalta que o Programa Acessuas Trabalho vem ao encontro das atuais necessidades dos usuários da Política de Assistência Social, especificamente, ao pensar o indivíduo em suas circunstâncias psicológicas e sociais, além de considerar todos os aspectos inerentes ao seu acesso ao mundo do trabalho, que muitas vezes não são pensados ou observados de maneira mais atenta e que, certamente, ressignificam a identidade laboral de nossos usuários.

“Em Campo Grande, o impacto do programa já pode ser sentido durante os encontros e oficinas realizados em nossas unidades e em diversos parceiros e também posteriormente, através dos relatos dos usuários, que narram a diferença que as atividades promovem em suas vidas, e do acompanhamento da equipe do Programa”, disse a superintendente de Proteção Social Básica, da Secretaria Municipal de Assistência Social (SAS).

Fonte: PMCG