“O Brasil tem tantos problemas graves que nessa eleição o eleitor deve deixar de lado  emoção e decidir com a razão, escolhendo aquele que está preparado e já deu demonstração de conhecimento e segurança para administrar. Essa pessoa é Geraldo Alckmin, três vezes governador de São Paulo, um homem que está pronto para o desafio”, afirmou o pré-candidato ao Senado pelo PSDB, engenheiro Marcelo Miglioli.

No Mato Grosso do Sul é a mesma coisa, avalia Marcelo. “Não podemos voltar ao passado, muito menos correr o risco de uma aventura. Então, o razoável é manter o atual governo que, mesmo na maior crise da história, vem mantendo o Estado no rumo certo”.

Marcelo Miglioli assinala que as enormes e legítimas demandas sociais só poderão ser atendidas se o futuro governo brasileiro tiver recursos suficientes. E isso não acontece por acaso; “temos que voltar a crescer, gerar riquezas e consequentemente empregos. E isso depende de estradas, ferrovias, linhas de transmissão de energia, de dar suporte aos empresários daqui e de fora para voltarem  a investir no Brasil”, explica. .

Ele lembra que o governo não fabrica dinheiro: o governo cobra impostos de quem produz. “E sem engenharia e produção, a gente fica no discurso. E o discurso afaga o ouvido, mas não enche barriga”, frisa.

“Os problemas são tantos que não dá para votar pela emoção. É hora de usar a razão, é hora de decidir por um homem capaz. Se errarmos pode ser o caos”, adverte Miglioli. .

O pré-candidato ao Senado assinala que cabe aos brasileiros fazer a escolha certa, salientando que a omissão é o pior caminho, porque “se você não escolher, alguém escolhe por você – e depois não adianta reclamar”. O Brasil está à beira do abismo: podemos cair ou voltar a crescer, depende do novo presidente, depende do voto.

“Se eu digo que o eleitor deve participar, eu não posso, por coerência, me omitir. Depois de um trabalho que alcançou os 79 municípios, aceitei o desafio do PSDB de colocar o meu nome à disposição para concorrer ao Senado e dar a minha parcela de contribuição”, diz o engenheiro.

A eleição do Congresso Nacional é fundamental para o país, afirma Marcelo Miglioli, declarando que é lá que serão votadas as reformas tão necessárias para o Brasil retomar o rumo do crescimento. Ele lembra que não dá para adiar mais a discussão da reforma tributária, porque hoje 54% dos recursos ficam em Brasília;  discutir a questão previdenciária, a reforma política, enfim, o novo ordenamento do país. “Quando eu falo discutir é ouvir a todos, mostrar a realidade e ter coragem de tomar decisões que façam bem para a maioria, o que não aconteceu até hoje”, conclui.

Fonte: Assessoria