STJ autoriza recolhimento da carteira de motorista para pressionar devedores a regularizar débitos

0
7

Em votação, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), autorizou o recolhimento da carteira de motorista (CNH) para pressionar devedores a regularizar os débitos.

Entretanto, no mesmo texto, os ministros da Turma negaram a autorização para a apreensão do passaporte por considerarem que a medida seria desproporcional e violaria o direito de ir e vir.

A decisão foi tomada com base na análise de um caso específico, porém, como o STJ é o tribunal responsável por uniformizar o entendimento do Poder Judiciário, o processo servirá de precedente para casos semelhantes.

Os ministros analisaram a solicitação de um habeas corpus apresentado por um cidadão após a 3ª Vara Cível de Sumaré (SP) atender a pedidos de suspensão do passaporte e da CNH do devedor.

O homem, neste caso, foi alvo de ação de uma escola por dever R$ 16.853,10. Na solicitação, o devedor argumentou que a apreensão dos documentos “ofende sua liberdade de locomoção, coagindo ilegalmente sua liberdade de ir e vir” e que uma dívida não poderia importar em “injusta violação” à liberdade.

Na primeira instância, o juiz atendeu ao pedido integralmente. A segunda instância, contudo, derrubou o entendimento por considerar que o habeas corpus não era o instrumento adequado.

O homem, então, recorreu ao STJ, e o Ministério Público opinou pela rejeição por também considerar que o habeas corpus não seria o instrumento adequado para questionar a medida.

Ao votar nesta terça, o relator do caso, ministro Luís Felipe Salomão, ponderou o fato de que, a adoção de medidas “indutivas, coercitivas, mandamentais ou sub-rogatórias” é importante para viabilizar a execução de decisões. Mas destacou que as medidas devem ser proporcionais e não ferir direitos constitucionais, como a liberdade de deslocamento.

Segundo relator, Ministro Luís Felipe Salomão, “A adoção de medidas de incursão na esfera de direitos do executado, notadamente direitos fundamentais, carecerá de legitimidade e configurar-se-á coação reprovável, sempre que vazia de respaldo constitucional ou previsão legal e na medida em que não se justificar em defesa de outro direito fundamental. É que objetivos pragmáticos, por mais legítimos que sejam, tal qual a busca pela efetividade, não podem atropelar o devido processo constitucional e, menos ainda, desconsiderados direitos e liberdades previstos na Carta Maior.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here