Reeleito na semana passada para o cargo de 1º secretário de Mesa Diretora da Câmara Municipal de Campo Grande, o vereador Carlos Augusto Borges, o Carlão (PSB), é uma liderança política consolidada na Capital que adquiriu peso e personalidade ao longo de três mandatos como legislador, além de alguns anos apoiando nomes conhecidos dos meios políticos locais.

Com a aproximação das eleições gerais que neste ano ocorrem em 6 de outubro, Carlão viu seu partido trocar de comando e vai logo avisando que não aceitará decisões tomadas no afogadilho do tipo que enfia candidaturas goela-abaixo aos seus filiados.  “Como o partido trocou de presidente sem consultar ninguém, eu só vou acompanhar as decisões do partido se o Diretório apoiar os meus parceiros,” disse ele em entrevista ao radialista Eli Sousa, no Programa “Bronca do Eli”, na Rádio Diamante FM. Carlão que não tem ainda uma definição com relação a quem vai apoiar. “Se o partido pender para o lado de um dos nossos amigos tudo bem, senão, eu vou para outro lado” afirma categoricamente.

Na vida pública desde o ano de 1983 quando eu assumiu a direção da Associação dos Moradores do Corredor do Bairro Nova Lima, junto com o líder comunitário Alízio Sabino Santos, falecido recentemente, Carlão deu os primeiros passos na política em 1988 quando atuou ao lado do ex-vereador e ex-deputado estadual Antônio Braga. Depois ajudou a eleger a ex-vereadora Tereza Name e, em seguida, Odimar Netto. Em 2008, 20 anos depois da experiência inicial com Braga, ele se candidatou e se elegeu vereador. De lá para cá são três mandatos consecutivos na Câmara Municipal.

NOVA MESA – Sobre a composição da NOVA Mesa Diretora Câmara Municipal que comandará o Legislativo no biênio 2019/2020, Carlão diz que ele tinha a possibilidade de se tornar presidente da Casa. “Porém, o Legislativo precisa trabalhar em harmonia e eu sou um grande amigo do presidente João Rocha (PSDB), por isso conversamos para continuar o trabalho da melhor forma e com isso eu continuei 1º secretário da Mesa Diretora” relata Carlão.

Ele ainda abordou a questão da renovação promovida pelo eleitorado na Câmara Municipal, principalmente em função das diversas turbulências políticas verificadas em Campo Grande na legislatura passada. “Vários vereadores não se reelegeram por conta da operação Coffee Break, mas, graças a Deus os que foram reeleitos e estavam sendo julgados foram absolvidos e estão trabalhando em parceria com os novatos e com isso ajudando o Executivo e fiscalizando as suas ações e as de seus membros” esclareceu.

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL – Na entrevista na Diamante FM, o primeiro secretário da Câmara Municipal também fez uma rápida análise da administração do atual prefeito dizendo que “o Marquinhos Trad tem feito um bom trabalho” auxiliado pela Câmara Municipal que o tem ajudado bastante. “Eu acredito que ele vai conseguir mostrar o seu melhor, porque ainda está no segundo ano de seu mandato” disse.

Com relação à discussão sobre a taxa de lixo que gerou grande polêmica sendo, inclusive, considerada irregular, o vereador Carlão diz que referida taxa existe desde 1973. “Porém, o STF a julgou inconstitucional e aí mudaram o seu nome, mas, desde aquela época todos pagamos a taxa” pontua.

ILUMINAÇÃO E TAPA-BURACOS – O vereador Carlão também discutiu com o radialista Eli Sousa dois temas que sempre geram polêmica no Poder Legislativo, a iluminação pública, alvo de muitas reclamações, e os buracos nas ruas que atormentam a vida de motoristas, motociclistas e até mesmo de pedestres.

Segundo ele, os vereadores estão aguardando que neste mês de abril, após o período das chuvas mais torrenciais, medidas eficazes sejam tomadas para equacionar tanto a questão da reposição de luminárias pelo serviço de iluminação pública quando o aceleramento dos serviços de tapa-buracos.

“A Cosip tem dinheiro. São arrecadados R$ 10 milhões por mês com a taxa de iluminação pública e a prefeitura tem um caixa de aproximadamente R$ 100 milhões para realizar o serviço. A cidade está escura, mas acredito que agora com essa ação do Tribunal de Contas {que autorizou a instalação de lâmpadas led} vai ser resolvido o problema”.

O mesmo deve ocorrer, segundo ele, com os buracos das ruas da cidade. “Passada a chuvarada, certamente a Secretaria de Obras vai intensificar a execução desses serviços, minimizando os dissabores causados à população pela buraqueira que tomou conta das nossas vias pública” avalia o parlamentar.

SAÚDE PÚBLICA – Na opinião de Carlos Augusto Borges, a grande reivindicação da população campo-grandense refere-se à saúde pública. Segundo ele, nas Unidades de Pronto-Atendimento (Upas) os moradores sofrem com a falta de médicos e com o atendimento que é lento.

Ele citou que foi parado repentinamente o atendimento no âmbito da realização de biópsias, o que considera inaceitável “porque a pessoa que descobre o câncer no começo consegue tratar e as chances de cura aumentam. Quem descobre quando a doença está em estágio avançado não sobrevive. É mais fácil gastar com a saúde do que com propagandas” sugere o vereador.

TRÂNSITO – Carlão lembrou, durante o bate-papo na Diamante FM, que os radares de Campo Grande estão desativados. E, segundo ele, as últimas informações divulgadas pela prefeitura são de que a nova licitação irá demorar a acontecer, o que atrasará a recolocação em funcionamento de todos os aparelhos do município. “A população não pode ter aqueles radares escondidos e os amarelinhos atrás das árvores. Tem que ter as placas de sinalização, porque muitas vezes você está a 60 km e o radar é para 30 km. No embalo do trânsito, quando você vê já passou acima da velocidade”.

Nesse mesmo segmento se encaixa o transporte público que, para Carlão, peca pelo valor excessivo cobrado pelas empresas que fornecem o serviço na Capital. Para tentar congelar o preço, a Prefeitura Municipal isentou as empresas do pagamento do ISSQN (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza), o que possibilitou manter o mesmo valor da tarifa por 12 meses. “Não nos importamos em votar novamente o projeto daqui um ano. Porém, precisamos atender a demanda da população e isentar as empresas é mais fácil para manter o preço congelado, sem mais aumentos a população” diz.

NÚMERO DE VEREADORES – Outra questão polêmica vem de dentro da própria Câmara Municipal, onde alguns parlamentares tentaram reduzir a quantidade de vereadores da Casa de Leis. Para o 1º secretário Carlão, o que a Câmara tem de fazer é trabalhar em favor dos bairros que cresceram muito. “Com os recursos que tem dá pra pagar o serviço do Legislativo. Têm que ter os 29 vereadores para poder atender a toda a cidade. Não tem como diminuir para 20 ou 15 parlamentares como sugerem alguns colegas” diz Carlão evitando o famoso “jogo para a plateia”.

AÇÃO PARLAMENTAR – Sobre os projetos desenvolvidos por ele na Câmara Municipal, o vereador que alguns são de grande importância, destacando, entre eles, diversos projetos voltados à área social. “Temos o projeto que torna obrigatório a presença de assistente social nas escolas” cita.

Com relação à segurança da população ele cita o projeto que proíbe a Prefeitura Municipal de inaugurar uma via rápida sem sinalizá-la completamente. “Isso tem que ser feito para que evitemos acidentes”.

Enumera, ainda, o projeto, apresentado em parceria com o vereador Herculano Borges referentes aos tapumes em bancos. “Hoje você não vê mais se a pessoa está pagando contas ou sacando dinheiro. Então aquele crime de roubo em saída de banco diminuiu” registrou.

Finalizando, ele diz que na área da Saúde tem um projeto, apresentado em parceria com o vereador Junior Longo que instituiu exames oftalmológicos nas escolas. “Graças ao projeto, as crianças que são constatadas com dificuldades de visão têm a garantia do exame oftalmológico realizado na própria escola” diz concluindo.