A deputada estadual Mara Caseiro (PSDB), 3ª vice-presidente da Assembleia Legislativa, ressaltou a importância do debate nas questões que envolvem a luta dos direitos da mulher. “Vemos muitas homenagens bonitas nas comemorações pelo Dia Internacional da Mulher em tom romântico, mas o dia 8 de março também nos traz a lembrança da opressão da mulher em vários sentidos, apesar de todos os avanços conquistados”, destacou a deputada.

Para Mara Caseiro, a data um dia será comemorada em sua plenitude quando houver igualdade de tratamento entre os gêneros. “Apesar de falada à exaustão, um desigualdade vivida no mundo todo é a violência, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), sete de cada dez mulheres serão agredidas ao longo da vida. E geralmente estas mulheres estão perto de você, uma vizinha, amiga, parente, chefe; e nós não sabemos, pois muitas não têm coragem de denunciar”, explicou.

A deputada também apresentou dados preocupantes: Mato Grosso do Sul tem a maior taxa de mulheres vítimas de violência sexual, física, ou psicológica que buscam por atendimentos nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). No Estado, 37,4 mulheres a cada 10 mil habitantes integram as estatísticas. Já o número de feminicídios disparou em 2016, o número saltou de 16 casos em 2015 para 34 em 2016, conforme dados da Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

Mara acredita também que a mulher simboliza a esperança de uma sociedade melhor, pela responsabilidade na criação e educação de crianças e adolescentes. “Essa data é uma reflexão contra o preconceito e discriminação contra aquela que é parte essencial do desenvolvimento da sociedade. Aqui na Casa de Leis, eu contribuo nesta luta, com ações e mudanças na legislação e uma boa interlocução com os poderes constituídos, para o fim da violência, maior espaço no mercado de trabalho e equidade de salários, saúde da mulher e igualdade na política”, enfatizou.