Visando a responsabilidade com o dinheiro público, o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, Junior Mochi (PMDB), fez um apelo em tribuna para que os eventos realizados com o intuito de reunir os legisladores de todo o Brasil tenham como prioridade de local a cidade de Brasília (DF). Em discurso na sessão ordinária desta quinta-feira (26), ele criticou o próximo encontro da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), que será realizado em Gramado (RS), de 8 a 11 de maio.

“Estamos vivendo um momento de questionamento pela sociedade, aí fazem um encontro em Gramado, o primeiro sentimento será que os deputados estão indo passear no ‘trem da alegria’. A maioria vai ter que voar até São Paulo, de lá para Porto Alegre, pegar carro e ir para a cidade. Olha o custo disso. Ano passado foi em Foz do Iguaçu (PR), eu iria passar mais de nove horas de aeroportos. Não se pode discutir tudo o que precisa em Brasília? Tem vôos do Brasil inteiro para lá todo dia”, argumentou o parlamentar.

Mochi ainda disse que não estava questionando a importância da Unale, mas as escolhas dos locais e apresentou um requerimento pedindo que os próximos sejam na capital federal. O presidente destacou que há muitas pautas importantes para a discussão do Legislativo e que não se pode ter espaço para fazer turismo. “Temos inúmeras pautas, as reformas, as distribuições de recursos aos municípios, as dificuldades de gestões pela crise da máquina pública e a PEC 42 [Projeto de Emenda Constitucional] em tramitação no Congresso Nacional que permitirá inúmeras matérias, que hoje são competência da União, ser temas do Legislativo. Porém não há recursos para mandar todo mundo”, explicou.

A Mesa Diretora então autorizou a ida de somente um deputado para o evento, representando a Casa de Leis, que será Lidio Lopes (PEN). “Irei com a consciência tranquila de minha responsabilidade. Já fui uma vez, na edição em Aracaju e saibam que é aeroporto, evento, hotel, aeroporto e só. Entendo que Brasília não tem suporte para sediar todos os anos as conferências e os patrocinadores também apoiam outros lugares como em Gramado, que tem uma rede de hoteis parceiros, mas garanto que os palestrantes são de ponta e iremos discutir os assuntos relevantes ao Legislativo”, disse Lidio Lopes.

O deputado Amarildo Cruz (PT) enfatizou que é preciso ter discernimento. “Nós somos homens públicos e temos que ter atitudes como o deputado Junior Mochi, sem hipocrisia de que não há descaso com o dinheiro público. Se for sobre legislar, que seja sim em Brasília. Tomara que os outros Legislativos façam o mesmo que aqui”, ressaltou.

Dr. Paulo Siufi (PMDB) concordou. “O coração político do país está lá. Se não der para ser lá, sugiro discussões setoriais e uma nacional depois, pois não deve ser um evento atrelado ao turismo. Concordo com o presidente, que se quiser isso pegamos nossas famílias e vamos”, afirmou. Barbosinha (DEM) completou. “Em Brasília poderíamos aproveitar e conversar com as bancadas federais e reforçar nosso papel de legislador”, finalizou.

Fonte: ALMS